Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unesc.net/handle/1/7066
Título: Análise da percepção do profissional de saúde no uso de florais como alternativa de tratamento e controle de qualidade de florais por CLAE
Autor(es): Pacheco, Renar Francioni
Orientador(es): Amaral, Patrícia Aguiar de
Palavras-chave: Terapia floral
Terapias holísticas
Terapias complementares
Floral impatiens - Qualidade
Descrição: Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais – Mestrado da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC), como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Ciências Ambientais.
Resumo: O modelo Biomédico, hegemônico na doutrina e prática que informa a medicina na atualidade, é o sistema de saúde predominante em nossa sociedade. As contribuições científicas que trouxe e ainda traz para nosso cotidiano são diversas, erradicando e tratando milhares de doenças. Porém, muitas pessoas o consideram um modelo limitante por reduzir o processo saúde-doença à sua dimensão estritamente biológica e por não satisfazer as demandas de vários estudiosos da saúde que se dão conta das reações psicológicas dos seus pacientes e dos problemas socioeconômicos envolvidos na doença, mas não veem como incorporar essas informações na formulação diagnóstica e nos programas terapêuticos atuais. Diante desse contexto, observa-se um crescimento no número de praticantes de terapias holística, que surgem como uma opção de tratamento não alopático para complementar, contribuir e diversificar o quadro conceitual da medicina ortodoxa. Dentre as várias opções de práticas holísticas, encontramos os florais que são utilizados como remédios para tratar aspectos temperamentais de seus usuários. A terapia floral foi criada por Dr. Edward Bach, e consiste em uma solução líquida obtida a partir da diluição de flores. Então, tendo em vista o crescimento da adesão de profissionais e pacientes em relação a terapia floral, esse estudo teve como perspectiva avaliar a percepção de profissionais da saúde na indicação de florais como prática alternativa utilizada no processo de saúde-doença. Para isso realizou-se entrevistas semi-estruturadas com profissionais da saúde prescritores (grupo 1) e não prescritores (grupo 2) de terapia floral como forma de tratamento. As percepções sugerem que o grupo 1 utilize terapia floral porque buscam uma forma menos agressiva ao organismo de tratamento, principalmente para os aspectos mentais e emocionais dos pacientes, além de acreditarem que as doenças são resultadas da consolidação de sentimentos negativos e hábitos inadequados. Já o grupo 2 relaciona a falta de estudos científicos e o pouco incentivo das Universidades ao conhecimento das práticas integrativas, os principais fatores que não os incentivam a conhecer essa forma de tratamento. Paralelamente ao estudo de identificação do perfil prescritor, um outro objetivo deste estudo era realizar a identificação e quantificação do metabólito secundário 2-hidroxi-1,4-naftoquinona no floral impatiens, algo que foi conquistado através do equipamento Cromatografia Líquida de Alta Eficiência. A intensão da identificação desse marcador químico é sugerir a ANVISA que seja criado um método de controle de qualidade de florais.
Idioma: Português (Brasil)
Tipo: Dissertação
Data da publicação: 2019
URI: http://repositorio.unesc.net/handle/1/7066
Aparece nas coleções:Dissertação (PPGCA)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Renar Franciscioni Pacheco.pdfDISSERTAÇÃO1,33 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.