Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unesc.net/handle/1/6420
Título: Prevalência de depressão em mães de autistas na Associação de Pais e Amigos do Autista da região carbonífera de Santa Catarina
Autor(es): Santos, Fernanda Geremias dos
Silva, Thatyane Carla da
Orientador(es): Jornada, Luciano Kurtz
Co-orientador: Madeira, Kristian
Palavras-chave: Depressão em mulheres
Mães de crianças autistas
Descrição: Artigo apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel, no Curso de Medicina, da Universidade do Extremo Sul Catarinense- UNESC
Resumo: O presente trabalho avaliou a prevalência de depressão em mães de autistas na Associação de Pais e Amigos do Autista na Região Carbonífera de Santa Catarina (AMA-REC). Trata-se de um estudo de abordagem quantitativa, do tipo observacional transversal. A amostra foi de 44 mães de portadores do Transtorno do Espectro Autista, matriculados na AMA-REC, sediada no município de Criciúma (SC), sendo excluídas as que não aceitaram participar do estudo, as residentes em outras cidades que não Criciúma e aquelas com cadastro desatualizado. Foi aplicado na amostra um questionário, a fim de se obter dados sócio-demográficos (idade, estado civil, escolaridade, ocupação e renda familiar) e clínicos (morbidades e uso de psicofármacos) das mães, além de informações a cerca de seus filhos (grau do autismo e presença de síndromes genéticas). Também se aplicou o Inventário de Beck de Depressão (IBD) e a SCID-I (Entrevista Clinica Estruturada para Transtornos do Eixo I). O perfil encontrado foi de mães de autistas de grau moderado, entre 40-44 anos, sendo a maioria casada, com ensino médio incompleto, desempregada e com renda familiar de até dois salários mínimos. Verificou-se que 54,5% apresentam sintomas depressivos, classificados no IBD como intensidade de leve a graves, além disso, 34,1% dessas apresentam depressão, quando aplicado a SCID-I. Demonstrou-se significativa a associação de depressão com ocupação das mães de autistas e com o grau de autismo dos últimos. O uso de psicofármacos não foi relevante e quando utilizado, ainda havia depressão à aplicação da SCID-I, inferindo-se ser uma população sub-tratada.
Idioma: Português (Brasil)
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso - TCC
Data da publicação: Jul-2016
URI: http://repositorio.unesc.net/handle/1/6420
Aparece nas coleções:Trabalho de Conclusão de Curso (MED)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Informação do texto competo - Medicina.pdfTCC4,48 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.