Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unesc.net/handle/1/3993
Título: A viticultura no extremo Sul de Santa Catarina : conhecimento científico versus popular
Autor(es): Martignago, Mireli
Orientador(es): Marques, Birgit Harter
Palavras-chave: Cultivo da uva
Viticultores – Lauro Müller, SC
Biologia floral
Polinização
Descrição: Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Ciências Ambientais.
Resumo: As culturas e os saberes tradicionais vêm contribuindo para a manutenção e conservação de conhecimentos, que são passados de geração para geração, como a cultura da produção de uva, trazida ao Brasil pelos imigrantes, principalmente italianos. Mesmo tendo como base a produção artesanal, os produtores vêm buscando novas tecnologias aplicadas ao cultivo da videira e sistemas de produção, devido às exigências de mercado. Este trabalho teve como objetivo identificar a influência de diferentes tratamentos de polinização na produção da biomassa de uva e analisar a percepção dos produtores sobre o processo da formação de uva na comunidade de Palermo no município de Lauro Müller, SC. O estudo foi realizado em duas etapas. Na primeira, verificou-se a biologia floral e o sistema reprodutivo das flores de Vitis labrusco L., em duas áreas amostrais com parreiras da videira Bordô. O período da floração e a biologia floral foram observados em 50 flores. Para o sistema reprodutivo foram marcadas cinco plantas e os testes foram realizados em dez inflorescências do tipo tirso por planta e quatro flores por tirso, totalizando uma amostragem de 200 flores para cada tratamento. Foram realizados testes de polinização manual cruzada entre flores das duas áreas, autopolinização manual, polinização espontânea e polinização por de abelhas da espécie Apis mellifera L.. Na segunda etapa, foram realizadas entrevistas sobre o processo de produção da uva com cinco viticultores, que atuam na atividade há mais de dez anos na comunidade de Palermo. O conteúdo das entrevistas foi relacionado com dados da literatura e com os dados obtidos em campo. Foram percebidas algumas controversas entre os produtores e a literatura em relação ao tipo de videira, pois os entrevistados afirmam que cultivam a “tarci” e que há diferença entre a mesma e a “bordô”, sendo na literatura não constam diferenças. Foi constatado, ainda, que as condições climáticas, como o vento, o sol e a chuva, são determinantes na produção, e que a falta de variabilidade genética tem favorecido o aparecimento de novas doenças fúngicas. Em relação ao sistema reprodutivo não foram encontradas diferenças significativas entre os resultados dos tratamentos de polinização realizados. A pesquisa revelou que as flores de videira se autopolinizam, confirmando o que a maioria dos produtores relata sobre a ausência das abelhas nas flores, se fazendo presente somente na época de maturação dos frutos.
Idioma: Português (Brasil)
Tipo: Dissertação
Data da publicação: 2015
URI: http://repositorio.unesc.net/handle/1/3993
Aparece nas coleções:Dissertação (PPGCA)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Mireli Martignago.pdfDissertação1,06 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.